Anúncios | Artigos | Galeria |  Fórum   | Eventos | Utilizadores | Top | Raças | Diários | Quem?

Utilizador:
Password:
Memorizar-me


== ARTIGOS ==
Site Felinus
Lazer
Entrevistas
Clipping
BD
Newsletters
Encontros
Ajuda
Notícias
Sobre o Site
Informação
Raças
Conselhos
Legislação
Notícias
Campanhas
Crónicas
Histórias Felizes
Ficção
Humor
Opinião
Livros
Revistas
Filmes
Lojas
Veterinários
Alimentação




Artigos  » Informação » Conselhos

Cães e gatos devem ser transportados como carga

CÓDIGO DA ESTRADA

Animais não podem perturbar a condução nem a segurança das pessoas

O novo Código da Estrada não traz alterações sobre o transporte de animais domésticos em carros particulares. Mas, já que a segurança rodoviária está outra vez na ordem do dia, nunca é de mais lembrar que existem regras muito claras e que há sanções para quem as infringe. A primeira coisa a ter em conta antes de seguir viagem é que cães, gatos, coelhos ou pássaros devem ir devidamente acondicionados, sob pena de prejudicarem a condução ou causarem sérios danos em caso de acidente. Nem será preciso chegar tão longe - basta uma travagem repentina para que o peso de um animal se multiplique de forma assustadora.

É sabido que os índices de sinistralidade no nosso país são dramáticos, que nem sempre a sensatez se senta ao volante, que o facilitismo sobre rodas é difícil de combater. Agora, juntemos a tudo isto um cão ao colo do condutor, ou solto no "lugar do morto" ou nos bancos traseiros, janela aberta e pêlos ao vento. Cenários como este são bastante frequentes nas estradas portuguesas.

Só que, uma vez dentro do automóvel, o animal doméstico é equiparado a carga, qual embrulho ou saco de batatas, e já é assim desde que o código é código. No número 3 do artigo 56, encontramos os requisitos para o seu transporte o equilíbrio do veículo tem de ficar assegurado, a carga não pode cair para a via nem oscilar por forma a tornar-se incómoda e, por fim, não pode reduzir a visibilidade do condutor.

Num breve comunicado enviado ao JN, a Direcção-Geral de Viação (DGV) alerta, precisamente, para o facto de um animal ser tido como carga "e não como um passageiro, como muitos cidadãos consideram". Aquele organismo aconselha a que, na ausência de caixas próprias para o seu transporte, os animais sejam "colocados na retaguarda do veículo, preferencialmente nos tapetes, para, em caso de desaceleração brusca, não serem arremessados contra os ocupantes dos lugares da frente". Os riscos em caso de travagem brusca ou acidente dependem da velocidade de circulação e do peso do animal, mas "se um cão atingir os passageiros, pode causar lesões mortais", acrescenta a nota.

Por fim, a DGV refere que "em caso algum os animais transportados poderão ir debruçados nas janelas ou ao colo do condutor, por comprometerem a segurança nos termos do artigo 3º do Código da Estrada". Resta ainda referir que as sanções para o incumprimento das regras vão dos 60 aos 600 euros, podendo as autoridades determinar a imobilização do veículo.

Transportadoras, peitorais que se adaptam aos cintos de segurança, grades e redes são os equipamentos disponíveis no mercado para assegurar o correcto transporte dos animais domésticos.

Conheça os apetrechos e os preços Cães e gatos devem ser transportados como carga

Transportadoras

As pequenas podem ir no chão, as grandes devem ser colocadas na mala, rebatendo-se os bancos traseiros. Há diferentes tamanhos para cães, gatos, coelhos e até pássaros. Preço: entre 15 e 260, 20 euros (cães de grande porte).

Peitorais
Só para cães, há vários modelos e custam entre 13,30 e 26,50 euros. Para alguns é necessário comprar à parte o adaptador para o encaixe do cinto (entre os 5,20 e os 7,20 euros)

Grade

Separa o animal dos passageiros, mas pode ceder numa travagem brusca, por não ser aparafusada. Entre 45,60 e 69,50 euros.

Rede

É eficaz se o cão for pequeno e obriga a rebater os bancos. Custa 23,20 euros.


Autora: Isabel Peixoto



Notícia retirada do site do Jornal de Notícias:
http://jn.sapo.pt/2005/04/19/etcetera/caes_e_gatos_devem_transportados_com.html

- Becas (Fernanda Ferreira) [ Europe/Lisbon ] 2005/04/20 13:54

Versão para Impressão Enviar a um amigo

» teresabarrospinto@sapo.pt ( maria teresa barros pinto) » [ Europe/Lisbon ] 2005/05/01 02:16
excelente artigo de informação e prevenção. tenho 5 gatos e vou passar a rebater o banco trasseiro, é muito mais seguro.
obrigado pelo seu trabalho de investigação sobre o assunto.
teresa barros pinto

» Becas ( Fernanda Ferreira) » [ Europe/Lisbon ] 2005/04/22 09:17
Sobre o transporte em aviao, devem ter em conta a questão do passaporte, consultem a Decisão da Comissão de 26 de Novembro de 2003, que está disponível na seccão de Legislação.

» chitamota ( Tânia Mota) » [ Europe/Lisbon ] 2005/04/22 01:58
Comecei a ler o artigo pensando que se referiam a todos os meios d transporte e como viajo frequentemente de avião com a minnha Chita assustei-me um bocadinho ao pensar q na próxima viagem ela teria q ir no porão. Ufa! Afinal era só sobre o transporte automóvel.
Acho o artigo mt útil. Pena q haja tts pessoas a não respeitar as regras.

» tchinho ( Susana Gomes) » [ Europe/Lisbon ] 2005/04/21 17:08
Eu quando vejo condutores ao volante e os cãezinhos ao colo com as patas da frente na janela, até me passo.... só um inconsciente é que faz isso!. O meu carro é comercial e o meu cão viaja sempre na bagageira. Quando viaja em carros ligeiros, tem uma trela com encaixe para o cinto. As transportadoras dos gatos ou vão atrás dos bancos no chão ou no banco da frente com cinto. Este artigo é super importante smile.gif

» atlantic ( Elisabete Feitoria) » [ Europe/Lisbon ] 2005/04/20 20:52
Utilíssimo !!!

» netinho ( Sílvia Neto) » [ Europe/Lisbon ] 2005/04/20 15:30
Por acaso qdo comprei a visao com o novo codigo da estrada, tinha-me lembrado destas situações, mas n sei pq n encontrei o artigo..... Agora já sei smile.gif
TERMOS DE USO | Regras de Utilização | Felinus e Cia. - © 2001 - 2018 Equipa Felinus