Anúncios | Artigos | Galeria |  Fórum   | Eventos | Utilizadores | Top | Raças | Diários | Quem?

Utilizador:
Password:
Memorizar-me


== ARTIGOS ==
Site Felinus
Lazer
Entrevistas
Clipping
BD
Newsletters
Encontros
Ajuda
Notícias
Sobre o Site
Informação
Raças
Conselhos
Legislação
Notícias
Campanhas
Crónicas
Histórias Felizes
Ficção
Humor
Opinião
Livros
Revistas
Filmes
Lojas
Veterinários
Alimentação




Artigos  » Informação

Animais - Sexo rigorosamente vigiado

Bem-vindo ao novo mundo hospitalar de cães e gatos, com clínicas sem mãos a medir em esterilizações, inseminações, cesarianas...



Um artigo de Clara Soares - jornalista colaboradora das revistas Visão e Máxima

As paixões proibidas ao estilo Romeu e Julieta assumem contornos mais leves no reino animal: a Dama fica mesmo com o Vagabundo, que enchem alegremente uma casa com a prole. Mas a tradição já não é o que era. As estimativas dos hospitais e clínicas veterinários do País sugerem um aumento de 25% nos pedidos de intervenções clínicas para impedir a reprodução, nos últimos dois anos, ao contrário da contracepção química (pílula) e das injecções abortivas, que têm vindo a baixar. Razões: maior conhecimento dos riscos para a saúde dos animais e a desmistificação da crença segundo a qual o desenvolvimento fica comprometido pela operação.

O Lucas, a Ritinha, a Kelly e a Carolina convivem no mesmo apartamento sem risco de expandir a espécie. «Gatos ao abandono há muitos e os meus não perturbam a vizinhança», justifica Filomena Barbosa, decidida a manter controlada a «colónia» doméstica. Em contrapartida, há quem não resista a adoptar os animais de rua e a comprar pílulas na farmácia para lhes dar, à falta de melhor solução. Carmen Coelho, 53 anos, chegou a ser «madrinha» de três dezenas de felinos errantes, a quem misturava o comprimido em restos de comida que trazia para casa, quando era governanta de hotel. Até ficou conhecida na Parede (Cascais) por Carmen dos gatos. É por amor, acrescenta, que adoptou vários, acumulando na sua moradia 38 felinos e sete cães, agora todos operados, algo possível pela «compreensão e facilidades» de médicos seus conhecidos.Sem hormonas sexuais, a vida entre quatro paredes torna-se menos stressante. Mas será que significa a morte da líbido?


Ter ou não ter


«O sexo animal é meramente reprodutivo e por isso os animais não sofrem por isso», defende Joaquim Henriques, do Instituto Médico Veterinário, em Lisboa, que executa cerca de 400 castrações e esterilizações por ano. A vantagem é óbvia nos felinos: o cheiro da urina em casa e a agressividade acabam (marcação de território). Sem aparelho reprodutor, as gatas deixam de andar aluadas – fugindo de casa mal tenham oportunidade – e ficam protegidas de infecções e tumores. Com os canídeos, a história é outra: ainda há donos renitentes em castrar o macho, na crença de que, com isso, lhes retiram a virilidade. «Um estereótipo típico da cultura latina», dizem os clínicos. A reprodução em regime livre dos «quatro patas» é um quebra-cabeças para todos, os donos e os outros, pela proliferação descontrolada de crias, com resultados óbvios: canis e gatis a abarrotar, animais vadios sem vacinação (uma ameaça à Saúde Pública) e mortes por negligência ou atropelamento.


Ajudar ao 'salto'


Contas feitas……aos pedidos mais frequentes*

Castração Gato – €40 a €80

Cão – €100 a €150

Esterilização Gata – €100 a €200

Cadela – €250 a €400

Exame ginecológico – €40 a €80

Cesariana – €200 a €400

Inseminação – €60 a €350

* Preços médios

Há quatro anos, a associação Catus criou um programa de controlo de natalidade para gatos vadios de que resultaram cinco mil cirurgias. Segundo o presidente, Joaquim Aguiar, «tal equivale a menos 100 mil partos por ano – pouco face aos nove milhões que nascem por ano». Na raça canina a situação é menos crítica, mas nem por isso de ignorar, fazendo dos 101 dálmatas uma história politicamente incorrecta. Um sondagem feita por Sofia Pedroso, do portal pegadas.online.pt, mostra que a abstinência ainda é o método preventivo mais usado (25%), quase igualado pela esterilização (24%), na maioria dos casos após o primeiro cio.Com a expansão recente do número de sócios dos clubes de raças, garantir prole quando as probabilidades são escassas é o lema. Nas consultas da Faculdade de Medicina Veterinária faz-se, em média, uma inseminação artificial por mês, com sémen fresco. Procurado por criadores de raças caninas, o método permite testar o sémen e prevenir doenças sexualmente transmissíveis, além de ser útil quando o porte dos machos torna difícil a cópula ou nos casos, frequentes, de dominância da fêmea.

Os machos com falta de jeito beneficiam de uma ajuda extra, como o Oliver, um bobtail com 37 quilos. A criadora, Isabel Alves, admite que é bem mais rápido e prático recorrer à colheita manual (com a cadela em cio à frente) com inseminação, poupando o animal «às tentativas falhadas do salto». Numa hora fica o assunto resolvido.



Clara Soares, Visão nº622, 3 de Fevereiro

O Felinus e Cia agradece a amável cedência do texto por parte da autora.

- Becas (Fernanda Ferreira) [ Europe/Lisbon ] 2005/03/04 15:51

Versão para Impressão Enviar a um amigo

» koshka & Cª ( Elsa Carraceno) » [ Europe/Lisbon ] 2005/03/10 13:55
Finalmente alguém dá importância a assuntos muito relevantes! Parabéns pelo artigo smile.gif

» Papaçordas ( Cecília Freitas) » [ Europe/Lisbon ] 2005/03/07 10:46
Um bom artigo!!! Esclarecimento nunca é de mais.

» Adsartha ( Rita Machado) » [ Europe/Lisbon ] 2005/03/04 16:53
Também gostei do artigo. Claro, simples e directo e suficientemente esclarecedor para quem não esteja a par do que se passa!

» hecep ( Helena Cepeda) » [ Europe/Lisbon ] 2005/03/04 16:18
Um excelente artigo, adorei!
TERMOS DE USO | Regras de Utilização | Felinus e Cia. - © 2001 - 2018 Equipa Felinus