Anúncios | Artigos | Galeria |  Fórum   | Eventos | Utilizadores | Top | Raças | Diários | Quem?

Utilizador:
Password:
Memorizar-me


== ARTIGOS ==
Site Felinus
Lazer
Entrevistas
Clipping
BD
Newsletters
Encontros
Ajuda
Notícias
Sobre o Site
Informação
Raças
Conselhos
Legislação
Notícias
Campanhas
Crónicas
Histórias Felizes
Ficção
Humor
Opinião
Livros
Revistas
Filmes
Lojas
Veterinários
Alimentação




Artigos  » Informação » Conselhos

Suplementos Alimentares

Suplementos

Quando fornecemos suplementos à alimentação dos animais que estejam a consumir dietas preparadas, podemo-lhes estar a produzir alterações por excesso de nutrientes, já que lhes estamos a fornecer quantidades adicionais, por exemplo, de energia, de proteínas, de cálcio, de fósforo, de microminerais ou de vitaminas. Infelizmente, apesar das boas intenções, o que estamos a fazer é prejudicar o nosso animal.

Não se deve adicionar um suplemento nutricional à ração a não ser que seja estritamente necessário corrigir uma alteração ou desiquilíbrio específico ou que estejamos a tratar uma determinada doença. Quando se utiliza uma ração comercial de boa qualidade, não é necessário acrescentar nada mais para cobrir as necessidades nutricionais do cão e do gato. Além disso, quando se utiliza um mau produto, não vamos conseguir um equilíbrio alimentício à base de suplementos, já que o problema que existe com estas rações de pouca qualidade é que não têm uma deficiência em relação a um nutriente determinado, que se poderia corrigir acrescentando-lhe um suplemento, é que a maior parte delas têm desequilíbrios e excessos de minerais, assim como um conteúdo energético e proteico de pouca digestibilidade.

Se se estiver a utilizar um produto deste tipo e se perceber na saúde do animal, o mais fácil, cómodo, seguro e barato vai ser mudar para uma ração que tenha as quantidades certas de nutrientes para as características e para o tipo de vida que o animal tem.

Por estas razões, não é aconselhável acrescentar, de forma rotineira, suplementos à alimentação. No entanto, é muito difícil fazer compreender a determinados donos, razão pela qual devemos aconselhar-lhes sobre quais os suplementos que podem dar aos seus animais e em que quantidades para produzir um mínimo desequilíbrio possível. Para isso, vamos falar algumas coisas sobre os alimentos para humanos que se administram com mais frequência aos animais.
Autor: Almor (Almor Loucao)


- Carne e Peixe: são uma boa fonte de proteínas, ainda que deficientes em certos minerais e vitaminas. Como norma geral não se devem administrar em cru pelo perigo de transmissão de certos parasitas;

- Gorduras e Azeites: Podem ser utilizados para aumentar a densidade energética duma dieta durante períodos de necessidades energéticas elevadas. No entanto, não devemos esquecer que as dietas limitadas pela energia podem produzir deficiências doutros nutrientes, porque o animal consegue cobrir as suas necessidades energéticas comendo menos quantidade. As gorduras, sobretudo os vegetais, podem-se utilizar também para levarem quantidades adicionais de ácidos gordos essenciais. Nos dois casos, a quantidade máxima deve ser uma colher de café por cada 200 gr de ração;

- Ovos: Constituem uma fonte de proteínas de elevados valor biológico, assim como de acido linoleiro, mas deverão ser administrados cozidos porque a clara crua contém adivina, substância que faz inutilizáveis algumas vitaminas do grupo B;

Autor: http://londrix.blog.uol.com.br/

- Leite: É uma boa fonte de cálcio, de fósforo, de vitaminas e de proteínas, mas o seu excessivo conteúdo em lactose pode provocar diarreia nalguns cães e gatos, especialmente se forem ainda bebés;

- Queijos: São uma fonte de proteínas e de gorduras. Costumam ser muito palatáveis para os animais. São especialmente aconselháveis os queijos frescos.

- Fígado: Contém proteínas de elevado valor biológico, gorduras, carbohidratos, minerais e vitaminas. É aconselhável para animais convalescentes, débeis e anémicos;

- Vegetais: São alimentos adequados. Têm alto conteúdo de carbohidratos, vitaminas e fibra. Devemos ter cuidado para que esta fibra não diminua excessivamente a densidade energética da ração;

- Vitaminas e minerais: Podem ser nocivos se se administrarem indiscriminadamente. Só devem ser dados em situações específicas;

- Ossos: Ainda que sejam muito apetecíveis para os cães, não se devem dar nunca já que podem produzir lesões graves no aparelho digestivo, assim como obstipação e obstruções. Os únicos ossos que se poderão dar aos cães, serão os ossos do joelho ou perna das vacas/bois;

- Sobras: Não se devem dar. As mais perigosas são as que contêm gorduras em grande quantidade;

- Doces: São muito palatáveis para a maior parte dos nossos animais. O problema é que , ao terem um elevado conteúdo calórico, os animais comem menor quantidade da sua ração e podem produzir desequilíbrios. Além disso, podem desenvolver-se cáries dentárias e obesidade. A administração do chocolate representa um problema especial já que contém uma substância denominada teobromina, que é tóxica para o cão ( 100 mg/Kg deste composto pode produzir a morte de um cão, o qual para um cão de 10 Kg se alcança com 63 Kg de chocolate puro). Os sintomas da intoxicação por teobromina são: vómitos, depressão, diarreia, diurese, tremores musculares e morte. Os cães não conseguem eliminar a teobromina do seu organismo tão rapidamente quanto nós e por isso é tóxica para eles;

Autor: Xamir (Adélia Costa)

- Cebola e Alho: Existe uma crença popular errada que diz que estes vegetais eliminam os parasitas gastroentéricos. Além disso, a cebola é potencialmente tóxica, apesar de que só a ingestão de grande quantidade é que produz sintomas ( um cão de 10 Kg poderá consumir ½ kg). A intoxicação consiste numa anemia hemolítica;

- Erva: Ainda não se sabe porque é que os cães e os gatos comem erva com uma certa regularidade, ainda que possa haver uma maior necessidade de fibra na ração. Pode ser também por falta de ácido fólico e até há quem pense que seja para eliminarem parasitas intestinais.


Fonte:
Manual de Auxiliar de Clínica Veterinária – Módulo 3
Do Instituto Monitor

- tchinho (Susana Gomes) [ Europe/Lisbon ] 2005/02/07 21:53

Versão para Impressão Enviar a um amigo

» hecep ( Helena Cepeda) » [ Europe/Lisbon ] 2005/02/08 22:49
smile.gif Sempre muito interessante ler coisas sobre a alimentação.
Quanto ao leite de vaca não sei porque dizem especialmente mau para os pequenitos, é mau sempre que não existir em quantidade suficiente a enzima para digerir a lactose e os animais bébes têm mais probabilidade de a possuir. Por outro lado como são mais frágeis se ficarem com diarreia esta pode ter piores consequências, talvez por isso devam ser mais salvaguardados...
Muito se poderia dizer sobre tudo isto. Mas de uma forma geral é um óptimo artigo, parabéns Tchinho!

» atlantic ( Elisabete Feitoria) » [ Europe/Lisbon ] 2005/02/07 22:02
Parabéns por um artigo tão oportuno e esclarecedor !
TERMOS DE USO | Regras de Utilização | Felinus e Cia. - © 2001 - 2018 Equipa Felinus