Anúncios | Artigos | Galeria |  Fórum   | Eventos | Utilizadores | Top | Raças | Diários | Quem?

Utilizador:
Password:
Memorizar-me


== ARTIGOS ==
Site Felinus
Lazer
Entrevistas
Clipping
BD
Newsletters
Encontros
Ajuda
Notícias
Sobre o Site
Informação
Raças
Conselhos
Legislação
Notícias
Campanhas
Crónicas
Histórias Felizes
Ficção
Humor
Opinião
Livros
Revistas
Filmes
Lojas
Veterinários
Alimentação




Artigos  » Crónicas » Histórias Felizes

Estrelas do Mar

Era uma vez um escritor que morava numa praia, junto a uma aldeia de pescadores. Todas as manhãs o escritor caminhava à beira do mar para se inspirar, e à tarde ficava em casa a escrever.

Certo dia, ao caminhar pela praia, ele viu um vulto que parecia dançar. Ao chegar mais perto, reparou que se tratava de um jovem que recolhia estrelas-do-mar da areia e que as jogava, uma por uma, para o oceano.

"Por que estás a fazer isso?"- perguntou o escritor, intrigado.
O jovem explicou:" - A maré está baixa e o sol quente. Elas vão secar, e morrer se ficarem aqui na areia".


O escritor espantou-se. "Mas meu jovem, isto sucede em milhares de quilometros de praias por esse mundo fora, e há centenas de milhar de estrelas-do-mar espalhadas só nesta praia! Não podes lançá-las todas ao mar! ...A maioria vai morrer de qualquer modo. Achas que faz alguma diferença?".

O jovem olhou para ele, sorriu, inclinou-se, e enquanto agarrava mais uma estrela, e a atirava de volta ao mar disse:

"Para esta aqui fez toda a diferença...".

Naquela noite o escritor não conseguiu escrever, nem sequer dormir. Pela manhã, voltou à praia, procurou o jovem, e, juntos, começaram a deitar as estrelas-do-mar de volta ao oceano.

Dali em diante quem olhava para a praia, via não uma, mas duas figuras, naquela dança que devolvia as estrelas ao mar.




Traduzido e adaptado do espanhol por Carla Mar - felinus

- Mastah (Paulo Azevedo) [ Europe/Lisbon ] 2003/08/21 21:17

Versão para Impressão Enviar a um amigo

» aslpetrini@sapo.pt ( Maria de Lourdes Petrini) » [ Europe/Lisbon ] 2007/07/21 19:43
Sim, um pequeno acto, por muito pequeno que seja, faz sempre toda a diferença e são gestos desses que ajudam a equilibrar o ambiente para que a Natureza não desista de lutar pelo lugar que também lhe pertence neste Planeta, que não é exclusivo do homem (sim com h pequeno) que se julga o maior, mas nem sequer chega ao tamanho de um grão de areia...
TERMOS DE USO | Regras de Utilização | Felinus e Cia. - © 2001 - 2018 Equipa Felinus